Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2008

Viciados em internet são atendidos em SP

Um professor universitário usa a internet para abastecer sua coleção de fotos de mulheres obesas. Ao longo de um ano, acumula 4 milhões de arquivos. Um adolescente de 17 anos passa 35 horas conectado à internet, sem intervalo.

Os casos são reais e foram tratados pelo Centro de Estudos de Dependência da Internet, ligado ao Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso, do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Tratamento para dependência de internet pretende fazer "desmame" do usuário; pessoa deve usar o telefone ao invés de entrar no MSN

Em três anos de funcionamento, o centro já atendeu 30 pessoas. Uma nova turma começará em agosto.

Para se submeter ao tratamento, que dura 18 meses, é preciso se encaixar em pelo menos cinco dos oito tópicos apresentados na página do centro.

Entre eles, necessidade de aumentar o tempo conectado para ter a mesma satisfação de antes, colocar trabalho e relações sociais em risco pelo uso excessivo da rede e mentir para os outros em relação ao tempo…

Una hormona con efectos relajantes podría ser útil para tratar el autismo o la fobia social, según un estudio

La hormona oxitocina, que logra inhibir la sensación de desagrado inspirada por ciertos individuos, podría utilizarse en el tratamiento de afecciones psiquiátricas como el autismo o la fobia social, según una investigación realizada por el Instituto Karolinska de Estocolmo (Suecia) y del Welcome Trust Functional Imaging Laboratory de Londres publicado el pasado junio en la revista 'Journal of Neuroscience'.

La oxitocina es un neuropéptido segregado por el cuerpo cuando, por ejemplo, recibe un masaje, en el parto o durante la lactancia, y que tiene efectos relajantes y analgésicos. Además, según varios estudios realizados en animales, la oxitocina aumenta la interacción social entre individuos, como en el apareamiento, por su influencia directa sobre la amígdala, zona importante para la interacción social y para detectar amenazas emocionales en el entorno.

En este último trabajo, realizado con la llamada cámara de resonancia magnética (fMRI), los investigadores suecos y británico…

Uma em cada 146 crianças é autista. Uma pode ser a sua

A APPDA – Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo, de Setúbal, promoveu, durante o dia de ontem, um seminário subordinado ao tema “Perturbações do Espectro do Autismo – Intervenções”. O evento contou com a participação de vários especialistas que, perante uma audiência de pais, educadores, técnicos de saúde e outros interessados, expuseram assuntos relacionados com o autismo.

“O autismo define-se como um conjunto heterogéneo de perturbações do desenvolvimento que se manifesta na dificuldade nas relações sociais/empatia; nas dificuldades de comunicação verbal e não verbal; na dificuldade no jogo simbólico e no interesse por actividades restritas e repetitivas”, explicou José Paulo Monteiro, neuropediatra no Hospital Garcia da Orta, em Almada.

Durante a sua exposição, no seminário promovido pela APPDA – Setúbal, que teve lugar no Centro de Formação Profissional, o especialista referiu que, de acordo com dados recentes, tem havido um aumento da incidência d…

UMA DOENÇA FANTASMA

Um menino de 16 anos, depois de ter sido expulso de várias escolas, se formou num colégio militar entre os piores alunos de sua turma, em meio a rumores de que havia colado nos exames. Seu pai lhe escreveu: "Neste seu fracasso você demonstrou sem nenhuma refutação seu estilo de atuação relapso, inconseqüente e bagunceiro. Estou certo de que, se você não for capaz de evitar a vida indolente, inútil e improdutiva que levou durante sua juventude, você se tomará um reles vagabundo, que se degenerará numa existência fútil e infeliz".

Esse menino era Winston Churchill. Seu boletim escolar na 3ª série dizia assim: "Conduta excessivamente ruim, sempre se metendo em alguma enrascada, um problema constante para todos, não dá para esperar que se comporte ade¬quadamente em qualquer lugar".

Hoje em dia Churchill provavelmente seria diagnosticado como portador de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). O padrão psiquiátrico oficial para diagnosticar o TDAH inclui…

Tratamento alternativo para autismo é polêmica no EUA

Pressionados por pais desesperados, pesquisadores do governo dos Estados Unidos estão batalhando para que seja testado um tratamento experimental para crianças autistas, uma decisão que alguns cientistas consideram como experiência antiética em falsa medicina. O tratamento remove metais pesados do corpo e se baseia em uma teoria, rejeitada pela maioria dos cientistas, de que o mercúrio causa autismo. A teoria nunca foi comprovada.

Não há mercúrio em vacinas dirigidas a crianças desde 2001, excetuado o caso de certas vacinas contra gripes. Mas muitos pais de crianças autistas acreditam na teoria, e o presidente do Instituto Nacional de Saúde Mental apóia o teste do método em crianças, desde que os testes sejam comprovadamente seguros. "Muitas mães disseram que o tratamento salvou seus filhos", disse o Dr. Thomas Insel, diretor do instituto.

Por enquanto, o estudo proposto, não muito conhecido fora da comunidade de pesquisadores do autismo e das organizações que trabalham no com…

Ter a avó por perto faz bem à saúde das crianças

RIO - A tradutora Larissa Sacramento sabe o quanto foi importante ter a mãe por perto quando seu filho Lucas, de 2 anos e meio, nasceu. O que ela não sabia é que a presença da avó seria tão positiva para o desenvolvimento do pequeno. A ciência endossa o que todo o mundo que ganhou um colinho mais experiente já sabe: o contato com as avós faz bem para a saúde física e psíquica das crianças. Um estudo recente da Universidade de Oxford mostra, por exemplo, que a participação das avós na educação das crianças contribui para que se tornem jovens mais felizes e ajustados socialmente.

- Meu filho é um privilegiado. Ele tem as duas avós e é muito amado. Recebe muito carinho. E elas me surpreenderam. Conseguem resolver as coisas com menos ansiedade - diz Larissa, às vésperas do Dia da Avó, comemorado neste sábado, dia 26 de julho.

O neurologista Ricardo Teixeira, diretor do Instituto do Cérebro em Brasília, diz que o "efeito avó" está relacionado à evolução da espécie. Com seus óvulos …

TDAH Alimentos

Crianças e adultos Síndrome: transtorno de déficit de atenção e hiperatividade

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um distúrbio neurocomportamental que vem sendo pesquisado por vários centros de referência no mundo. A prevalência desse transtorno no Brasil chega a 5,5%. Crianças com esse problema apresentam baixo rendimento escolar, baixo auto-estima por se sentirem incapazes, e muitas vezes dificuldades no convívio social. Há queixas por parte da escola no que se refere à disciplina. Muitas vezes torna-se importante prestarmos atenção aos alunos que não apresentam hiperatividade, mas somente desatenção. São alunos quietos que em geral não atrapalham a aula, mas também possuem baixo rendimento escolar.

Os estudos nacionais e internacionais situam a prevalência do transtorno de déficit de atenção / hiperatividade (TDAH) entre 3% e 6%, sendo realizados com crianças em idade escolar na sua maioria. Estudos têm demonstrado que crianças com essa síndrome apresentam u…

TDAH: quando não compreendido, um transtorno

Nos depoimentos de mães, pais e especialistas no assunto, as semelhanças são marcantes. Os portadores do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) são impulsivos, agitados, irrequietos, ansiosos e tão inteligentes e carinhosos quanto mal compreendidos e rejeitados – o que acontece porque, quando se trata de TDAH, falta informação e sobra preconceito.

Com um ano e quatro meses de idade, em 1986, Fernando começou a andar. A partir daí, ficar parado tornou-se algo simplesmente impossível para ele. Um ano e dois meses depois, sua mãe, Mara Narciso - endocrinologista, acadêmica de jornalismo e autora do livro Segurando a hiperatividade - decidiu levá-lo a uma psicóloga. Por ser "acelerado" e "incapaz de sossegar um minuto que fosse", Fernando ficava sujeito a toda sorte de acidentes. "Machucava a toda hora, e demorou muitos anos para entender que buraco era buraco e que pular dentro dele como se não existisse o faria machucar. Corria na direção de uma…

Superdotación y altas capacidades en el sistema educativo

Un 2% de la población tiene un cociente intelectual superior a 130 con capacidades cognitivas por encima de la media. El potencial intelectual de estas personas debería ser una ventaja y un rasgo diferencial de calidad para la sociedad, pero a menudo, en lugar de valorar esta capacidad y convertirla en valor añadido, el sistema educativo, las familias y el profesorado no saben qué tipo de estímulos deben ofrecer a los superdotados para lograr un óptimo desarrollo de su inteligencia.

El monográfico 172 sobre Superdotación y Altas capacidades de Educaweb.com recopila artículos de los expertos en la materia, que nos muestran sus teorías relacionadas con la educación del alumnado superdotado y sus opiniones sobre cómo responden el sistema educativo y los centros a las necesidades de estos niños.

Superdotación y altas capacidades. ¿Cómo detectarlas?

Antes de profundizar en la respuesta a las necesidades educativas de los niños superdotados o con talento es importante definir los conceptos bás…

Saúde emocional começa no ventre

O primeiros anos de vida é o período em que é definida a base para o crescimento intelectual, emocional e moral

O desenvolvimento biopsicossocial saudável do indivíduo é o foco da psicologia preventiva, que entende que até mesmo o período anterior ao nascimento tem influência na formação global da criança.

Durante a gestação, o feto está em perfeita comunicação com a mãe, captando os seus estados emocionais e a sua afeição por ele. Quando há sentimentos amorosos e serenidade, o seu cérebro, ainda em formação, produz hormônios como endorfina e ocitocina, responsáveis pela sensação de bem-estar. Mas, se a criança sofrer maus-tratos repetidas vezes ou for tratada com frieza e indiferença, a formação do seu cérebro sofrerá danos. "Sabe-se hoje que o período que vai da concepção ao primeiro ano de vida é o que apresenta desenvolvimento mais acelerado. O sistema nervoso do bebê, com neurônios em abundância, é extremamente plástico e encontra-se com potencial máximo para formar-se, de aco…

Ritalina, usos e abusos

O remédio para hiperativos ganha adeptos entre executivos, estudantes e moças que querem emagrecer.

Utilizado em larga escala nos Estados Unidos, o remédio Ritalina experimenta um aumento de consumo surpreendente no Brasil. O número de prescrições do medicamento, um estimulante para o tratamento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, mais que dobrou nos últimos dois anos. Só neste ano, estima-se que será vendido 1 milhão de caixas de Ritalina, fabricado pelo laboratório Novartis (veja quadro). A principal razão desse aumento é o fato de que o diagnóstico do distúrbio se tornou mais comum. Antes considerado um mal predominantemente infantil, a hiperatividade passou a ser detectada também em muitos adultos. Além disso, há quem use o medicamento simplesmente para se manter desperto durante longas jornadas de trabalho ou estudo. E, como acontece com boa parte dos remédios da família das anfetaminas, a Ritalina entrou na ilegalidade. Jovens em busca de euforia química e menin…

Research Fortifies Link between Genetics and Autism

New research shows that some aspects of autism are inherited. In a study that conducted psychological tests on forty two parents of children with autism, found that these parents appeared to be "socially aloof."

The research was conducted by psychiatrist Dr. Joe Piven of the University of North Carolina at Chapel Hill and neuroscientist Dr. Ralph Adolphs, of the California Institute of Technology. The paper has been published in the July 17 issue of Current Biology.

Dr. Joe Piven said, "Autism manifests as a tendency not to prefer interactions with others, not to enjoy 'small talk' for the sake of the social experience, and to have few close friendships involving sharing and mutual support. This characteristic is really a variation of the normal range of social behavior and not associated with any functional impairment,"

Autism is a brain development disorder that impairs social interaction and communication, and causes restricted and repetitive behavior, all …

Problemas de comunicação

Adriana Campos 2008-07-23

O raciocínio dos pais que se confrontam com este tipo de problema pode traduzir-se desta forma: "O meu filho é inteligente, por isso este tipo de comportamento provavelmente desaparecerá com a idade".

"Tenho uma filha com 7 anos que adora ver filmes e ler livros infantis. O que me preocupa é que ela memoriza/decora os diálogos (sobretudo dos filmes) e está constantemente a declamá-los em voz alta. Se tento falar com ela nessas alturas, não me responde. Tenho de berrar com ela para a "ligar à Terra" e para que me responda. E quando responde, as respostas são sempre "não sei" ou "não me lembro" ou "não me apetece conversar". (...)

No entanto, quando estou a conversar com o meu marido e ela está presente (sobretudo durante o jantar), está constantemente a interromper a nossa conversa com perguntas. A situação deixa-nos indignados, porque quando tentamos conversar com ela, não demonstra qualquer interesse em dia…

Phelps se prepara para recorde de medalhas em Pequim

Nadador norte-americano quer superar as sete medalhas de ouro do compatriota Mark Sptiz, em 72

Alan Baldwin - REUTERS

Michael Phelps não tem rivais na maioria das provas que irá disputar nos Jogos Olímpicos

LONDRES - Como se estivesse numa série de ficção científica, o nadador Michael Phelps quer ir aonde nenhum homem jamais esteve - o que no caso do norte-americano de 23 anos seria ganhar oito medalhas de ouro na Olimpíada de Pequim, superando as sete do compatriota Mark Spitz nas piscinas de Munique-1972.

O próprio Spitz acha que está perto de deixar de ser o atleta mais bem sucedido na história olímpica. "Ele será inacreditável", disse Spitz à Reuters durante a seletiva norte-americana neste mês. "Ele vai dar uma aula para o resto do mundo, e vai ser excitante."

Antes da Olimpíada de 2004, Spitz declarou: "Se ele [Phelps] ganhar sete medalhas de ouro e igualar o que eu fiz, seria como se eu fosse o primeiro homem na Lua e ele fosse o segundo. Se ele ganhar mais …

Pesquisa aponta alimentos que evitam 'ferrugem' no cérebro

Neurocientista americano analisou estudos de várias partes do mundo.

Nozes, azeite, lentilha, espinafre e salmão fazem parte da 'dieta da inteligência'.

Uma pesquisa feita pelo neurocientista Fernando Gómez-Pinilla, da Universidade da Califórnia, aponta quais são os alimentos que fazem bem para o cérebro e melhoram as faculdades mentais do ser humano.

Em entrevista concedida ao 'Fantástico', em Los Angeles (EUA), o neurocientista afirma que analisou estudos de várias partes do mundo e concluiu que, de fato, existem alimentos capazes de melhorar o desempenho do cérebro e de prevenir sua degeneração.

Nozes, castanhas e óleos vegetais, como o azeite de oliva, contêm nutrientes que são excelentes antioxidantes.

Gómez-Pinilla explica que o cérebro consome muita energia para funcionar e isso deixa como resíduos muitos químicos oxidantes. Além disso, a massa cinzenta é feita em grande parte de material oxidável. Portanto, para o cérebro não enferrujar, é preciso antioxidantes.

Lent…

País vive febre da "droga da obediência"

Nos últimos anos, uma explosão no uso das "drogas da obediência" vem ocorrendo no Brasil. Indicadas para crianças com hiperatividade ou déficit de atenção, esses medicamentos vêm causando polêmica e dividindo especialistas. Há quem veja um excesso de prescrições.

Em apenas quatro anos, a venda dos medicamentos aumentou 940%. Em 2000, foram vendidas 71 mil caixas. Em 2004, 739 mil. Os dados são do Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos, levantados com base no ""IMS-PMB" --publicação suíça que contabiliza dados do mercado farmacêutico mundial.

Os números são confirmados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, que controla as vendas, já que o remédio exige receita. Segundo a agência, o número de caixas vendidas entre 2003 e 2004 cresceu 51%.

A "droga da obediência" acalma crianças agitadas e faz com que as sem concentração se fixem no que fazem. Ela foi criada para tratar portadores do transtorno de déficit de atenção …

Pais de crianças autistas são mais vulneráveis

Cuidar de crianças com problemas de desenvolvimento pode enfraquecer o sitema imunitário dos pais

Investigadores da Universidade de Birmingham concluiram que os pais de crainças com problemas como o autismo ou a sindrome de down têm uma pior resposta à vacina contra a pneumonia.

De acordo com a notícia publicada na BBC este facto deve-se ao stress.

Estudos anteriores tinham encontrado efeitos semelhantes em casais mais velhos em que um tinha de cuidar do outro, mas é a primeira vez que é feita a está relação em pessoas jovens.

No total 60 pais receberam a vacina contra a pneumonia, metade do grupo cuidava de crianças com problemas de desenvolvimento.

Os testes sanguíneos mostraram que estes criavam menos anti-corpos à vacina comparados com os que cuidavam de crianças sem problemas.

Um mês depois, 20 por cento dos pais que cuidavam de crianças com autismo ou outros problemas de longo termo, tinham uma resposta imunitária ineficiente, comparados com 4 por cento do grupo de controle.


Fonte: htt…

Oh, I'll do it tomorrow

We may measure out our lives with endless to-do lists, but procrastination is not a disease

Idly eating my porridge and drinking my coffee on a Sunday morning, I'm suddenly pitched into terror by discovering from the papers that my wife, asleep in bed upstairs, is suffering from "an affliction that ruins the lives of millions".

Evidently "one person in five now suffers from the problem so badly that their careers, relationships and health are threatened." A Professor Joseph Ferrari from DePaul University in Chicago, says: "The social and economic implications are huge. These people need therapy."

Not only is my wife a near-terminal case, but my 17-year-old daughter probably has it too. Indeed, I could have a touch myself. The condition must be genetic. How quickly will Ferrari and his team be able to identify the gene that causes this horrible problem? Will my daughter be able to have genetic testing during pregnancy? How long will it take to develop a c…

O enigma do autismo

Os autistas em Portugal podem ser mais de 65 mil. Muitos não foram diagnosticados nem tiveram o tratamento adequado.

Por razões ainda mal explicadas, a incidência desta perturbação do desenvolvimento - que pode variar de formas muito severas e incapacitantes até ligeiras ou de alto funcionamento - está a aumentar substancialmente, a ponto de, nos Estados Unidos, já se falar em epidemia de autismo.

É um mal misterioso. A ciência ainda não conhece cabalmente as causas nem é capaz de o curar. Em Portugal, não se sabe sequer quantos são, mas extrapolando as estatísticas internacionais, o número poderá rondar os 65 mil. O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA actualizou a prevalência e estima que uma em cada 150 crianças nasça com uma perturbação do espectro de autismo, o que representa um aumento de cerca de 600% em três décadas. O aperfeiçoamento no diagnóstico pode ajudar a compreender este brutal aumento, mas os especialistas são incapazes de explicar totalmente o fenómeno.

Em…

Michael Phelps Struggled With ADHD As A Child

Visit Debbie Phelps' ADHD Website
http://www.facebook.com/ADHDMoms

BALTIMORE COUNTY, Md. (WJZ) ― Next month, homegrown swimming superstar Michael Phelps goes for the gold again in the 2008 Olympic Games in Beijing.

Healthwatch reporter Kellye Lynn sat down with his mother at her home in Baltimore County where she shared Michael's struggle with a commonly diagnosed medical disorder.

Before heading off to Beijing to cheer on her swimming sensation son, Debbie Phelps revealed his difficult diagnosis and how she and Michael overcame it.

Before Beijing, before swimming to Olympic gold, Michael Phelps was an outgoing, athletic kid whose energy never seemed to run out.

"Never sat still, never closed his mouth, always asking questions, always jumping from one thing to another. But I just said, `He's a boy,'" she said.

But as Debbie Phelps would later find out, there was a more accurate explanation for her son's lack of focus and fidgety behavior. At age 9, his doctor …

Los niños hiperactivos no diagnosticados son propensos a la drogadicción y la violencia

Adeje (Tenerife), EFE El profesor titular de Neuropsicología y Metodología de las Ciencias de la ULL, Sergio Hernández, afirmó hoy en el marco de la Universidad de Verano de Adeje que "los niños TDAH no diagnosticados son propensos a la drogadicción y violencia", informa la institución académica.

Sergio Hernández viene impartiendo el curso "Transtorno por déficit de atención por hiperactividad", quien advirtió que el TDAH se diagnostica de forma propicia en niños con edades comprendidas entre 6-7 años.

"Se trata de niños de baja autoestima propensos a caer en las drogas y a tontear con la violencia", zanjó.

El experto explicó que se trata de niños con un exceso de actividad motora, muy impulsivos y con dificultades extremas para concentrarse en una tarea.

Y, dirigiéndose a los padres insistió en que "basta con ver si el niño es capaz de centrarse en las actividades escolares, de permanecer sentado en una silla y si interrumpe las conversaciones de los ma…

Living with a hyperactive child

A 15-year-old Staffordshire boy and his family talk about living with the attention-deficit hyperactivity disorder (ADHD) condition and the medicines he takes.

The number of prescriptions for Ritalin, used to treat ADHD, has risen by more than a third in the last four years in England, Department of Health figures show.


Fonte: http://news.bbc.co.uk/2/hi/health/7523191.stm

La hiperactividad no es una moda sino una realidad

Un trastorno del comportamiento producido por una alteración en los neurotransmisores cerebrales.

21 de julio de 2008.- Hasta hace pocos años el trastorno por déficit de atención e hiperactividad (TDAH) no se diagnosticaba, sin embargo cada vez es más frecuente. El TDAH no es una enfermedad, sino un trastorno del comportamiento producido por una alteración en los neurotransmisores cerebrales.

No se trata de un defecto en el sistema educativo del niño. Suele tener una base genética, hereditaria, ya que, en muchos casos, los padres o familiares cercanos padecen o padecieron el mismo trastorno. Los hermanos son quienes mayor riesgo tienen de padecerlo y aún más los gemelos idénticos. Pero no todo es predisposición genética, también existen factores ambientales, traumatismos, infecciones postnatales o exposición a tóxicos prenatales que facilitan el TDAH.

El problema es el déficit de atención puede acompañarse de hiperactividad. El déficit de atención impide que estos niños aprendan adecuada…

La genética y el ambiente, entre los principales factores de riesgo

El becario de investigación de neuropsicología de la Facultad de Psicología de la Universidad de La Laguna Pedro González Pérez destacó ayer, en su ponencia "Desarrollo Neuropsicológico y Etiología del TDAH", impartida durante el segundo día de la Universidad de Verano de Adeje, que entre los factores de riesgo del Trastorno por Déficit de Atención con Hiperactividad (TDAH) se encuentran la predisposición genética o factores biológicos adquiridos, así como diversas alteraciones genéticas o biológicas, como la falta de oxígeno al nacer, entre otras.

En cuanto a los factores ambientales, hizo referencia al consumo de alcohol, tabaco o drogas durante el periodo de gestación, la escasa o excesiva alimentación y la poca estimulación durante el embarazo.

El TDAH es un "trastorno crónico del neurodesarrollo que perdura en el tiempo y afecta el desarrollo del sistema central" del individuo, y "se manifiesta con diferencias en la morfología y funcionamiento de algunos co…

Insuficiência de convergência, autismo ou TDAH?

A insuficiência de convergência é a inabilidade dos olhos de trabalharem juntos e de focar objetos. Freqüentemente ela aparece associada ao Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade e ao autismo ou é confundida com eles.

Especialistas estimam que 5% das crianças em idade escolar tenham a chamada insuficiência de convergência, que pode fazê-las ter dor de cabeça, tonteiras, náusea, ficarem irritadas, com baixa auto-estima e dificuldade para se concentrar.

Um professor de oftalmologia da Universidade da Califórnia, em San Diego, estudou 266 pacientes com insuficiência de convergência. Aproximadamente 10% deles tiveram também diagnóstico de déficit de atenção ou hiperatividade - três vezes mais que o percentual da população em geral. Analisando arquivos de hospitais de crianças com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), o especialista e outros de sua equipe descobriram que 16% dos pacientes também tinham insuficiência de convergência - três vezes mais que a porce…